Quando as runas batem à porta

Quando as runas batem à porta não pedem licença. Entram de sopetão e cravam-se na nossa vida para nunca mais sair. Tornam-se amigas, confidentes, depósitos da nossa força mágica, ou mægen.
Tatuam-se de forma permanente e volátil, abrindo consciências, caminhos e visão como se não houvesse outra opção.
Por vezes, são extremamente claras e rápidas a responder, noutras, lançam enigmas que só estando muito atentos conseguimos compreender.
Ninguém as percebe totalmente, mas é no tentar que está a beleza da viagem.

Quando as runas batem à porta vêm para ficar.

Às Nornes!